O ESVAZIAMENTO DO OLHAR

Vamos considerar inicialmente que é o olhar (visão) que estabelece a nossa experiência de identidade com o lugar. Outra consideração a fazer é que, não custa imaginar o poder que as imagens naturalistas (ilusão de volume e tridimensionalidade) exerceram nos fiéis que frequentavam as igrejas no Renascimento. As pinturas exerciam um imenso poder na imaginação das pessoas.

 Mas, o que levou as imagens de poderosas a uma situação de banalização, onde já não temos tempo para analisar e refletir sobre seu conteúdo, sua forma e sua criação?

Até bem pouco tempo, as mudanças que atingiam a realidade das pessoas ainda marchavam a um ritmo que permitia aos moradores das cidades, a adaptação à essas mudanças de maneira que ainda podiam disfrutar do sentimento de pertencer ao lugar. O olhar, na relação do sujeito com a paisagem e com outros habitantes  ainda produzia sentidos.

Exemplo disto é um personagem típico da Paris dos meados do século XIX, a figura do “flaneur”, o sujeito que caminha pela cidade, sem pressa, saboreando a arquitetura do local, suas praças, o cotidiano das pessoas, os aromas dos cafés, o ruído das carruagens, as mudanças climáticas, etc.

Gustave-Caillebotte1

A ponte da Europa, 1876 – Gustave Caillebotte

Ou seja, nossa relação com a cidade é imagética, mas que nome de ruas e números, nos orientamos pela arquitetura, pelas praças, pelas imagens nas casas comerciais.

Com o impacto dos meios de transporte (trens e automóveis) essa relação começa a se modificar, as casas e edifícios perdem os detalhes e a espessura, o caminhar das pessoas, vistos através de um veículo em movimento se transformam em sucessão de slides.

DSC02096

No século XIX, a fotografia permitiu a reprodução das imagens, no século XX, os meios de comunicação trouxeram a imagem em movimento e sua democratização através da televisão.

 No entanto, as drásticas e vertiginosas mudanças tecnológicas ocorridas no final do século XX aliadas a interesses capitalistas, fizeram com que adentrassemos o século XXI com o nossa capacidade de percepção sensivelmente danificada.

Assim, com a hiper proliferação de imagens e a velocidade do nosso cotidiano, a cidade vai se tornando um outdoor, um espaço achatado e bidimensional. Não há mais distinção entre realidade e representação, as imagens passaram a constituir elas próprias a realidade, a experiência do conhecimento sensível do real vai se tornando ficção.

Velocidade, imagens e informação no mundo contemporâneo são fluxos que esvaziam o olhar e impedem a construção de relações de identidade com o lugar ou com a imagem. Pense nisto! Um grande abraço!

Anúncios

Sobre urupespc

Sou professor de artes e design gráfico, gosto de tudo relacionado ao universo das artes.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s